Ponto Cartesiano
10 Fev 2018 - 03h16m

Formuladores do governo concluem que fazer política não é vender margarina: Brito Miranda tem papel definido na campanha de reeleição de Marcelo

Duas decisões já foram tomadas pelos formuladores políticos do governo:1) O governador Marcelo Miranda vai disputar a reeleição e 2) o ex-secretário Brito Miranda voltará a ter voz ativa nas ações de campanha, especialmente na construção de alianças e cooptação de aliados. Ainda que Brito não tenha deixado de fazer política.

Já é quase consenso no grupo que Marcelo Miranda terá que deixar de vez sua primeira pretensão de disputar uma vaga no Senado, onde teria maiores facilidades para conquistar o mandato e evitaria ser questionado politicamente pelo fato de querer disputar o governo pela quarta vez.

Para isto, entretanto, teria que renunciar ao cargo submetendo-se a perda da prerrogativa de foro, uma temeridade em função dos processos judiciais em curso. Tanto do ponto de vista político como técnico. 

De forma que, quando o MDB vem a público informar que Marcelo é o pré-candidato do partido, não está somente empurrando o Governador para a campanha: cumpre uma decisão já tomada internamente pelo Governador, auxiliares e aliados mais próximos. Uma decisão que Marcelo relutou aceitar em função do seu projeto inicial de disputar o Senado e que foi convencido pela equalização especialmente dos desdobramentos jurídicos.

No projeto, Brito Miranda voltou a ter papel relevante. Brito foi, na prática, excluído das conversações políticas do governo Marcelo Miranda. Se manteve, de forma recorrente, contra muitas decisões políticas e administrativas do Palácio Araguaia nos últimos três anos, implementadas à revelia de suas avaliações de causa e consequência. Vai ter, agora, conforme apurou o blog junto a auxiliares diretos de Marcelo e do MDB na sexta, uma sala no escritório político de campanha.

A política bate-cabeça que os marqueteiros vinham impulsionando ao governo e ao perfil político e administrativo de Marcelo Miranda pode ter possibilitado mais prejuízos que lucros. Por questão lógica: publicitários não sabem fazer política. São competentes para vender produtos, ainda que acreditem poder construir um personagem que, como personagem, corre o risco de assim ser enxergado pela população: uma persona, uma máscara.

Avança, portanto, do ponto de vista qualitativo do exercício político trazer de volta Brito Miranda. Ex-deputado, ex-presidente da Assembléia Legislativa de Goiás e medebista histórico, Brito é, por certo, um dos mais experientes políticos do Estado, uma raposa na arte de cooptar aliados.

E com perfil também de administrador. Não à toa, como Secretário de Infraestrutura de Siqueira, devorou o governo do caudilho por dentro, não sendo seu sucessor no governo porque o ex-governador percebeu a armadilha da cadeia sucessória optando por interceptá-la entregando a Marcelo Miranda, o cargo de governador, na perspectiva mais de seu fracasso que de êxito. Não tinha outra opção: ou disputava com Brito ou o tinha como aliado. Os publicitários e formuladores políticos do governo devem ter concluído, agora, que fazer política não é vender margarina.

 

Deixe seu comentário:

2 Comentário(s)

  • Ruan Douglas | 14/02/2018 | 14:39Só se ver muitas pessoas criticando ,mas não vejo niguém falar do cãos que foi o Governo Gaguim e Sandoval, tudo esta acontecendo agora, as consequências do erros passados, e somente lembram, de criticar um.r
  • Edilson Gonçalves da Silva | 10/02/2018 | 05:16Caudilhos por caudilhos, siqueira, marcelo e brito se completam. Deus cuidará para que nenhum deles consiga mandato novamente, até por que será temerário ter estes novamente no comando do Estado. Chega de governos incompetentes e fracassados. Até agora não voto em ninguém, mas posso votar em qualquer um desses tranqueiras, desde que comprem meu voto, de graça nunca mais. Aliás, esse desgoverno atual do Estado, para mim é o pior da história.
© 2015 - luizarmando.com.br - Todos os direitos reservados.