Ponto Cartesiano
13 Jan 2018 - 09h13m

Governo: pesos e medidas. Administração faz no Plansáude o que Saúde negligenciou deliberadamente na alimentação e lavanderia nos hospitais

O secretário da Administração, Geferson Barros, anunciou ontem a prorrogação do contrato com a Unimed Centro-Oeste (Cooperativa Unimed de Brasília) até término processo de licitação da nova empresa. O governo deveria R$ 73 milhões à empresa, um dos alegados motivos para a não renovação. Uma decisão inteligente do ponto de vista administrativo e político.

Já o secretário de Saúde, Marcus Musafir, tem mantido nos hospitais públicos serviços de alimentação, lavanderia e limpeza com contratações diretas sem licitação há cerca de 17 meses, quase metade do governo.  Depois do rompimento do contrato com a Litucera à qual o governo deveria R$ 80 milhões, levando a empresa e seus fornecedores a dificuldades financeiras para manter seus negócios.

Enquanto a Secretaria da Administração mantem relacionamento profissional e civilizado com a Unimed, negociando prorrogação de contrato até conclusão do pregão, a Secretaria da Saúde partiu, de imediato, para a contratação direta, atribuindo responsabilidades indevidas à empresa (inviabilizada pelo cano que a Secretaria de Saúde a impingiu e a seus fornecedores) submetendo pacientes e profissionais da saúde às improvisações e falta de fiscalização da qualidade do serviço. Está respondendo no TCU/CGU.

Tem-se aí, como se nota, pesos e medidas de uma mesmo balança: governo. Governo e desgoverno.

Deixe seu comentário:

© 2015 - luizarmando.com.br - Todos os direitos reservados.