Ponto Cartesiano
05 Dez 2017 - 14h21m

Vereadores não deram cheque em branco a Amastha. Mesmo que circunstancial, é o que se infere da aprovação da emenda impositiva na Câmara

Não deixa de ser uma derrota do prefeito Carlos Amastha a aprovação, por parte da Câmara de Vereadores, das emendas impositivas ao orçamento.

Já é expediente aplicado no governo do Estado e no governo federal. Muitos municípios já o aplicam. É um instituto já previsto constitucionalmente.

A derrota de Amastha, deduz-se, foi provocada por ele mesmo. Trabalhou e fez sua turma operar pela não aprovação da mudança (atualização) da Lei Orgânica. Apesar dos dispositivos constitucionais.

Apostou que os vereadores de sua base aumentariam o valor do cheque assinado que entregaram ao prefeito, deixando passar a oportunidade de poderem se movimentar mais livremente em favor de suas bases eleitorais que as emendas impositivas proporcionam.

É provável que a derrota de Amastha tenha sido apenas pontual. Afinal, os vereadores não tem muitas opções como o prefeito por aí dando sopa para escolher.

E aí caberá ao prefeito a melhor estratégia para fazer desse passivo circunstancial, um ativo a seu favor.

Deixe seu comentário:

1 Comentário(s)

  • Edimar | 06/12/2017 | 08:38Os vereadores Laudecy, Tiago Andrino, Negreiros, Folha e Gerson votaram a favor do Prefeito e contra si próprios, não merecem ser vereadores, pois, e constitucional recursos para investirem em obras e serviços em suas base e eles não querem?????? EPA! TEM CAROÇO NESSE ANGU! Fica a pergunta: Qual seria o verdadeiro interesse desses vereadores??? Eu já sei qual é, reflitam e descubram.
© 2015 - luizarmando.com.br - Todos os direitos reservados.