Ponto Cartesiano
12 Set 2018 - 15h18m

Inconstitucionalidade das cotas nas Universidades induz a que fosse mais lucrativo não trabalhar e ficar com esculhambação da escola pública

A Universidade Federal do Tocantins lançou o edital para seu vestibular/2019. E não há como não notar a falta de sentido da letra da Constituição da República no populismo que marcou os governos Lula no país com a condescendência de deputados, senadores e ministros do STF.

Está lá no artigo 5º da CF: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país, a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.

Um artigo da CF que virou letra morta por duas leis do governo Lula sem que o Congresso alterasse o artigo constitucional, com a finalidade de se fazer uma espécie de justiça social e de raça, ainda que promovendo injustiça, como despreza explicações a CF.

No vestibular da UFTO (a exemplo de outras universidades públicas) as vagas para ampla concorrência para o curso de medicina, por exemplo, são apenas oito em Palmas para um total de 20 vagas disponibilizadas. No Campus de Araguaína, de 15 vagas, apenas seis são para livre concorrência. A proporção se repete em todos os cursos.

O restante (mais de 50%) é entregue a candidatos com renda familiar inferior a 1,5 mínimos, que tenham cursado integralmente o ensino médio em escola pública, aos auto-declarados pretos, pardos e indígenas e aos candidatos com deficiência. Uma equação aplicada também no Enem.

Se o estudante tiver apenas passado por uma escola particular, não tem escapatória: cai na malha social da lei de cotas. Se for branco, pior ainda. Se saiu de casa cedo, conseguiu um bom emprego e ganha mais de R$ 1.400, tá fora. Ou: cai dentro do mínimo de vagas para deixar de ser besta e buscar emprego para pagar escola. Melhor seria não trabalhar e ficar na esculhambação que é o ensino público no país porque assim seria premiado: nas tais cotas.

Deixe seu comentário:

© 2015 - luizarmando.com.br - Todos os direitos reservados.